1 de dezembro de 2014

Hoje escrevo-vos sobre puns (aviso que este é escatológico, para os mais sensíveis)

É isso mesmo, puns. Peidos, traques, tiros, canhões, bufas, bombas, gases, torpedos, o que vocês mais gostarem. Há aquela fase da relação em que deixamos de ter paciência para nos ausentarmos sempre que eles avisam, deixamos de levantar o nalguedo da cama porque estamos quentinhos e depois ficamos ali, nós e o desgraçado que dorme connosco, a fazer força com os braços por fora do lençol para aquela porra não levantar, porque senão ai mãe que morremos já ali com uma intoxicação das bravas. Mas para isso, tem que haver aquele primeiro momentinho em que nos questionamos se já estamos prontos para deixar acontecer ou se ainda é muito cedo para os dois, começamos a pensar "se eu soltar isto agora, será que faz barulho? E se o fizer, será que cheira? E se sim, tusso ao mesmo tempo, ou deixo-me ir naturalmente? E se ele der conta?" Bem, os cenários possíveis:

1. Ri-se
2. Ri-se e peida-se também
3. Ri-se, diz que foi fraquinho e "caga-te aí à homem"
4. Ri-se e diz que foi um dos bons
5. Ri-se e pergunta se o almoço teve couves
6. Ri-se e diz que cheira mesmo mal
7. Ri-se e esbraceja
8. Fica enojado
9. Fica enojado e diz "eish, que nojo"
10. Fica enojado e esbraceja
11. Fica enojado e sai
12. Vomita

Quanto aos sete primeiros, há que rir também, estabelecer a relação de harmonia e, quiçá, de sintonia (podem perfeitamente peidar em conjunto sempre que puderem). Quanto aos restantes, olhem, é ir tentando, até ceder. Mas pede-se sempre desculpa, que é para não parecer mal.

8 comentários:

Linda Porca disse...

Este assunto é quase uma um it na blogosfera :)

Eu, como sou uma senhora, nunca me vi nessa contingência. Mesmo. Se acontecesse por acidente, acho que o meu cenário era o 13. Morre de enfarte, tamanho é o espanto.

Panda disse...

Ahahah sei bem ao que te referes :P opá, pelo menos preservas a humanidade.

Silent Man disse...

Lá em casa, cada um avisa e liberta os seus gases naturalmente, sem se mexer. E se não avisa, pede desculpa. Tem é o cuidado de virar o canhão para onde não há gente, para evitar ou minimizar cheiros e cenas. É assim a intimidade...

Panda disse...

Connosco também é assim. Mas isto ainda é muito recente ahahah

Maria Varredora Pau de Vassoura disse...

ahahahahaha
parto-me a rir com historias e anedotas de puns.

O meu mais que tudo diz que os meus puns são lindos! Até quando? até quando? LOL

Panda disse...

Tu e eu :D Olha, que querido, vês?

Pam disse...

AHAHAHAHAHAHAHAHAHAH
Isto é só "QUALQUER COISA"...

Panda disse...

Partilha a tua opinião, Pam, vá :D