18 de janeiro de 2015

Casar vs viver juntos

Lia eu há uns tempos num blogue que, segundo a opinião da blogger, casar nunca será o mesmo que viver juntos, que o nível de compromisso de quem se casa é muito maior, e que quem não se quer casar e só quer viver com o parceiro está simplesmente a ver onde a relação vai dar e não quer arriscar nada mais. Uma opinião, claro, que respeito mas da qual estou a milhas de concordar. Imagine-se que o post foi logo alvo de grandes críticas nos comentários, como já, certamente, se deveria estar à espera. Eu estaria. Havia, também, defensoras acérrimas da mesma opinião da blogger. Já eu, não me alonguei no meu comentário ao post, mas o que é certo é que me fez cócegas e fiquei com o bichinho para escrever sobre este assunto. Foi hoje, por nenhuma razão em especial. Eu sempre sonhei com o casamento, a cerimónia religiosa, uma festinha íntima a seguir, sem gente a mais e sem gente que não me diz nada e vai só por arrastão. Sempre quis casar, desde pequena que vejo o casamento como uma espécie de objectivo que espero conseguir cumprir. Leva dinheiro, leva tempo, "ah, podes perfeitamente casar pelo civil, não é assim tão caro e ficas casada na mesma", sim, é certo. Mas eu quero o casamento religioso. O meu homem é religioso, a família dele também, eu também e a minha família também, e sempre vi aquele tipo de cerimónia como uma tradição a cumprir. Sou bastante tradicional e os casamentos mexem (e muito, vocês não estão bem a ver o nível de choradeira) comigo. E esta é uma escolha minha, tão válida quanto qualquer outra. Tão válida quanto viver juntos, tão válida quanto casar pelo civil, tão válida quanto o que vocês quiserem. Agora, medir sentimentos, que me parece até impossível (mas isso sou eu, que não meço estas coisas, sinto e pronto), através da escolha que cada um faz relativamente à forma como quer passar os seus dias com a cara metade é que me parece, à falta de melhor palavra, feio. Se quem escolhe não casar, está "a ver onde vai dar", então como é que se justifica tanto divórcio? É que por esta lógica, a partir do momento em que nos casamos, não voltamos atrás, não acabamos com o relacionamento se ele não estiver a correr bem, porque só quem não se casa é que tem essa hipótese em cima da mesa, porque casar é um passe que garante felicidade eterna. Opiniões, claro.

10 comentários:

FME disse...

Concordo mais contigo do que com essa blogger, de longe! :)

r: a bebida é boa, mas é cá uma pomada!

Panda disse...

Obrigada! Ahahahah acredito que sim, mas mesmo com as queixas da tua dor de cabeça, acho que a vou procurar... :P

Linda Porca disse...

Realiza os teus sonhos, filha, caga lá no que dizem as bloggers :)

Panda disse...

Sempre, LP.

Pseudo disse...

Panda, faz sempre o que te apetecer! Casa de preto e branco, se assim vos agradar. E com pêlo, muito pêlo...É fofo!

Panda disse...

Pseudo, é isso mesmo. Obrigada, esse comentário fez-me sentir bem, assim como o da LP. É mesmo "a cagar", para falar mal e depressa.

maria umbelina disse...

Casar ou não casar, cada um sabe de si e dos seus sonhos. Se é uma coisa que se quer muito é lutar por ela :)

Panda disse...

Completamente :)

ernesto disse...

Isto já é velho mas eu hoje tirei a noite para ler blogs e apetece-me comentar, se bem que isto é capaz de ir gerar um post, já que eu bem preciso de assuntos xD
Nunca me quis casar, mas fá-lo-ia se fosse essa a vontade da pessoa com quem eu estivesse. Contudo, o preço a pagar por um único dia, parece-me exagerado tendo em conta que não muda grande coisa... se o sentimento lá estiver, não é preciso mais nada :D

Panda disse...

Fizeste tu mais que bem :) Concordo contigo, sem dúvida. E sim, é caríssimo, exagerado, mas é aquele sonho que sempre tive. Claro que será sempre um rombo no orçamento, por muito low cost que seja (não tenciono gastar fortunas). Mas se não tiver hipótese, caso-me na mesma, há outras formas bem mais baratas. Quero mesmo é casar que hei-de fazer?