8 de janeiro de 2015

Deixem-me ver se eu entendi bem

Entristece-me escrever sobre terror e ainda agora o ano começou. Mas vamos a isto, porque tenho um nó na garganta.
Então, de repente, quem defende a liberdade de expressão, mas considera também que não é preciso andarmos a dizer uns aos outros tudo o que nos vem à cabeça, é o mesmo tipo de pessoa que acha que mandar uns balázios só porque não se gostou da piada é uma coisa bem feita, é isso? Não vamos exagerar, vamos ser racionais. Talvez puxar um bocadinho pela cabecinha, que ela serve para alguma coisa. E aos Gustavos deste mundo, a esses que pedem aos "que fazem carreiras a ridicularizar a verdade de quem não conhecem de lado nenhum" que "aprendam alguma coisa com isto", enfiem-se num buraco porque a imbecilidade já é sinal de um baixo quociente de inteligência. Mas qual verdade? A intolerância levada ao limite? O extremismo? Que eu saiba, Deus (ou o nome que vocês Lhe quiserem dar) é inatingível e não precisa que o defendam com barbárie. Mas esperem lá, que isto dá-me toda uma nova perspectiva sobre a vida. Ai de alguém que faça uma piada sobre psicólogos à minha frente, que leva com uma bazooka nos cornos e pia fininho. "Ai podes dizer o que queres, podes, mas..." Mas, mas, mas. A liberdade, seja em que situação for, nunca é total. Irónico? Quem nos diz que somos livres, está a enganar-nos. Isso não existe, não numa sociedade destas. Não enquanto existir fanatismo, seja futebolístico, político ou religioso. A religião é perigosa se ultrapassar as doses diárias recomendadas. Todos os fanatismos o são. No Charlie, os corajosos, porque o são, que defenderam até à morte um direito que têm mas que a sociedade dá e tira, têm o meu respeito e o meu luto. Os outros, os que matam porque acham que estão a defender algo maior, a lutar pelo respeito de algo que tão acérrima e afincadamente teimam em preservar, nunca vão tomar outro rumo. E muitos serão os onzes de Setembro deste mundo.

2 comentários:

Maria Varredora Pau de Vassoura disse...

Eu sou totalmente contra a violência.
Nem sabia que haviam tantos comentários e opiniões divergentes em relação a isto.
Nada justifica este acto, nada!

Panda disse...

Pois não. Eu não consigo compreender quem ainda consegue arranjar defesa para os terroristas.