26 de janeiro de 2015

Por acaso enquanto estava a estudar lembrei-me

Expliquem-me só: festa de anos que se preze, hoje em dia, é com convidados até não caberem mais, todos a comerem e a beberem que nem umas bestas e, no fim, a pagarem o que meteram para o bucho, certo? Cada um paga o seu. 

- Vou dar uma festa de anos, queres vir?
- Quero.
- Mas pagas!

Então e onde é que vai o tempo em que eram poucos, mas bons, e quem pagava era quem fazia anos? Eu já fiz anos há um mês, mas com estes negócios, vou fazer uma festa por mês. Fica muito em conta. Uma coisinha de arromba, assim daquelas de rebentar com o fígado. Olhem, estão convidados, está bem? Mas são 9€.

19 comentários:

O lado B da blogger feliz disse...

Já fui a várias festas de anos assim e, guess what, até a um casamento!

A tradição já não é o que era babe :)

Panda disse...

Também eu, hoje em dia não fazem de outra forma. Percebo os porquês e vou e pago, mas discordo em muito.

Silent Man disse...

Eu pago! Quero as festas da Pandinha!

Panda disse...

Assim é que é! :D

Sónia TM disse...

Pois, o pessoal costuma muito fazer isso


tarasemanias.pt

Panda disse...

Modas!

Mellia disse...

Já tenho o dinheirinho pronto :p

Panda disse...

Isso, tens que ter um porquinho à parte para pores lá dinheirinho todos os meses! :P

maria umbelina disse...

Eu sou à moda antiga, só vou se tu pagares! :p
Mais um motivo para eu não fazer festa de anos :)

Panda disse...

Eu também nunca fiz. Mas é por fazer anos no dia de Natal.

O lado B da blogger feliz disse...

Eu não seria capaz de o fazer, sempre que faço uma festa, seja para mim, para Santo Marido, ou para os miúdos, pago.

Se cai bem, uma pessoa ter que pagar para ir a uma festa de anos? Não. Mas, consoante os casos, até consigo compreender.

Posso-te dizer que o casamento que referi foi dos mais giros de sempre, até a reportagem fotográfica ficou a cargo dos convidados com máquinas descartáveis. :)

Panda disse...

Eu também não, é preferível fazer algo mais intimista, em casa ou assim, do que convidar muita gente e depois que paguem os convidados. Olha, isso sim é uma ideia muito gira! :)

Anónimo disse...

Infelizmente, sendo eu estudante e não tendo rendimentos próprios, quando quero fazer alguma coisa pelos anos tem de ser num restaurante (e aí cada um tem de pagar o seu) ou faço em casa e peço a contribuição simbólica de cada um, mesmo não sendo nunca muitas pessoas. Gostava muito de poder pagar a todos os que me são mais queridos, fosse no restaurante ou em casa mas é impossível para mim. Infelizmente se quiser fazer alguma coisa tem de ser assim...embora pareça ser de muito "mau tom".

Maria Verde

Panda disse...

Maria Verde, bem-vinda ao blogue :) eu percebo o que leva as pessoas a fazerem dessa forma, nos dias que correm. Eu também sou estudante e compreendo essa face da moeda. Mas é algo com que não concordo. Se fizesse festa de anos, preferia que fosse algo mais económico, como um jantar apenas mesmo para os mais próximos, daria cerca de 6 pessoas, por exemplo, e fazendo eu a comida ou encomendando uns frangos, não ficaria nada de mais. Também seria só uma vez por outra. Ou então, deixa-se o jantar e paga-se uma bebida a cada um. O que realmente importa é conviver!

Anónimo disse...

Panda, para mim, embora sendo só os mais próximos são mais alguns, uns 10/15 e infelizmente mesmo sendo só uma vez não dá para gastar mais do que o que tenho: uma bolsa de estudo. Pelo que tenho de pedir a contribuição, por ex. de 5€ para ajudar nas despesas (óbvio que acaba por sair mais barato do que ir a qualquer restaurante e embora não cubra todo o gasto que tenho é uma ajuda preciosa). Além do que acaba por ser mais barato pagar um jantar em casa do que uma bebida xD.
Hoje em dia está enraizada a ideia de, quando somos convidados para alguma coisa, sermos nós a pagar. Aliás, numa celebração de aniversário, raramente as pessoas oferecem prendas (e isso tenho de admitir que me faz alguma confusão, embora já me tenha, por força, habituado - quando me mudei para a cidade onde estudo é que o choque foi grande) e isso deve-se ao facto de terem algum gasto associado, acho eu (pelo menos é o que me leva a concluir).
Já é diferente quando me convidam para um jantar em casa de amigos, isso aí nem se discute e quem convida oferece o jantar ou os outros participam levando alguma coisa.

Na minha opinião, o que importa é que as pessoas sejam francas, porque, afinal, se são amigos podem estar à vontade em dizer " não me sinto confortável com isto" ou " não concordo com aquilo" e assim não há necessidade de, passo a redundância, se sentirem desconfortáveis com o que irá acontecer. [embora nem sempre seja fácil isto acontecer, principalmente quando os grupos são maiores]


Quanto aos casamentos acho que é uma questão diferente. Sempre que somos convidados para um casamento quase nos sentimos "obrigados" a cobrir a despesa que os noivos têm com o convidado na festa, embora simbolicamente (porque não sabemos quanto custa uma pessoa em cada casamento ne!?!). Já ninguém quer prendas mas sim dinheiro, para ajudar a pagar despesas, a começar uma vida nova, uma nova etapa, etc. isso compreende-se embora também me faça confusão.

Maria Verde

Panda disse...

Mencionaste aí uma coisa importante e que, penso eu, pode substituir o ter que dizer à pessoa que a convido para os meus anos mas que vai ter que desembolsar 9 euros, que é propor que levem as bebidas para o jantarinho em casa, ou uma sobremesa, qualquer coisa que contribua. Mas fazer todos os convidados pagarem acima de 5 euros (porque nestas coisas nunca é menos, quando é em restaurantes) para irem à minha festa de anos, isso parece-me mesmo absurdo. Tudo depende muito, claro, das capacidades económicas de cada pessoa. Mas enfim, é algo que me desagrada e eu, honestamente, não o faria, mas claro, é como em tudo, não posso esperar que o mundo funcione em sintonia com as minhas opiniões. Não passa disso, na verdade, uma opinião. Houve um tempo em que isto era claramente impensável. Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades, porque agora é recorrente. E quem sou eu para julgar? Ninguém. Quando me convidam, se puder, vou e pago, porque é importante para mim e para a pessoa a minha presença. Mas acho que, de certa forma, isto acabar por ter um lado cómico da situação, que depois foi o que tentei transpor aqui para o blogue. Em jeito de brincadeira, mas que, realmente, é uma situação na qual já pensei algumas vezes e que não deixa de ser caricata. Grande comentário, ah caneco! :P

VerdezOlhos disse...

Ahahaha desculpa lá os testamentos, só queria tentar explicar-me. xD
Eu quando faço coisas maiores (aniversários) lá em casa é costume perguntar se preferem levar alguma coisa (comida, bebidas sobremesa) ou se preferem contribuir (!) com cerca de 5€ (não mais que isso) para as despesas.

Se for um jantar em casa de amigos, sem data especial a celebrar, mesmo só para o convívio, do mais simples, é costume perguntar se querem que leve alguma coisa, tal como me perguntam a mim e aí decide-se perante as circunstâncias.

*

VerdezOlhos disse...

p.s. sou a mesma pessoa. Só não estava a comentar com o blog antes.

Panda disse...

Não tem mal nenhum, exprime-te à vontade, como se estivesses em casa! :D Mi casa es su casa :P Aqui igual, pergunto sempre se querem que leve alguma coisa. Mas é raro, uma vez que quase todos já preferem os restaurantes e que se pague. Eu fiz a associação do Verde :)