3 de março de 2015

A saga do guardanapo

Para verem como eu estou, chochinha chochinha, estive cerca de cinco minutos à procura do guardanapo, que eu sabia perfeitamente, de certezinha absoluta, que tinha tirado do rolo e trazido para o quarto, cinco minutos ouviram bem?, e afinal o gajo estava debaixo do prato. Cinco minutos, não é brincadeira. E não, não quis tirar outro, porque eu sabia que ele andava aí e tinha que encontrar aquele, senão ainda me dava uma solipampa. E encontrei, mas entretanto o doce de morango já foi absorvido pela pele das minhas mãos. Nheca.

12 comentários:

Silent Man disse...

O que tu precisas mesmo é do moço full time ao pé de ti. Acabava-se logo o chochiunha chochinha... ;)

Panda disse...

Vês, como tu sabes :P

Silent Man disse...

Sou um sabido, eu...

Panda disse...

E pára lá de fazer inveja às pessoas, com as ilhas paradisíacas.

Silent Man disse...

Casa-te...

Panda disse...

Era já.

Silent Man disse...

Depois convida-me pró copo d'água :p

Panda disse...

Copo de vinho! :P

Silent Man disse...

Serve! E tequilla também, já agora!

Panda disse...

Aaaaah, adoro tequila!

Silent Man disse...

E eu... Laranja, Grenadina (ou Groselha), um saleiro e um limão e sou um Silent feliz

Panda disse...

Nunca provei. Eu sou uma Panda feliz se me derem uma Piña ou um Mojito. Tequila, depende das situações. Já os outros dois, sempre!