10 de novembro de 2014

Automonitorização

Diz que é a "regulação do comportamento individual no sentido de responder às exigências de uma situação ou às expectativas de outras pessoas". E, assim de repente, consigo lembrar-me de umas quantas coisas que, para mim, são autênticas falhas de automonitorização:

- Comer de boca aberta;
- Falar de boca cheia;
- Mascar pastilha a fazer tchoc tchoc tchoc;
- Apitar de noite;
- Bocejar sem pôr a mão à frente;
- Tossir para cima dos outros;
- Não devolver o que se pede emprestado (e depois a pessoa esquece-se, passados uns 20 anos, mas se calhar o objectivo é esse);
- Coçá-los em público;
- Ajeitar as cuecas em público;
- Arrotar alto e bom som num jantarinho de família (assim é que é bom);
- Dar puns em transportes (o ar que circula não é tão facilmente reciclado, minha gente, percebeis?);
- Não apanhar o cocó dos bichinhos (haviam de se borrar forte e feio para dentro dos sapatos de Vossas Excelências, que eu queria ver se depois não piavam fininho);
- Acabar qualquer frase com "mano";
- Cuspir para o chão;
- Fumar para cima das fuças dos outros;
- (...)

Tantas, são tantas.

5 comentários:

maria umbelina disse...

Isso não é falta de monitorização! É mesmo falta de maneiras e de saber estar!

Til disse...

Ainda podíamos acrescentar umas coisitas;)

Panda disse...

maria, verdade!

Til, milhares!

Linda Porca disse...

Pega no tema telemóveis e tens logo mais 20 "just don't"...

Panda disse...

Como é que eu não me lembrei de nenhum desses?